quinta-feira, 18 de outubro de 2012

UM TAL DE SARGENTO PILCHER

No dia 18 de outubro de 1968, John Lennon e Yoko Ono foram presos no apartamento que pertencia a Ringo em Montague Square acusados de posse de maconha.

Postagem original publicada no dia 3 de maio de 2011

No final dos anos sessenta, o Sargento Norman Pilcher foi o responsável por uma verdadeira operação "caça às bruxas" no meio artístico da swinging London. "Nobby" Norman Pilcher ficou famoso pelo vigor com que se dedicou em busca de posse de drogas pelas estrelas da música pop. No entanto, os métodos duvidosos empregados em suas operações secretas, eram bastante duvidosos. Ele contratava espiões informantes para se envolverem com as estrelas e "forjar" provas. Ele se tornou famoso por prender uma série de celebridades, tais como: Mick Jagger , Brian Jones e Keith Richards dos Rolling Stones , Donovan e também dois Beatles, George Harrison e John Lennon. Todas essas celebridades se queixaram de que o sargento Pilcher só estava fazendo essas perseguições e prisões para aparecer nos tablóides sensacionalistas.

Norman Pilcher Clemente nasceu em 1936. Após a transferência da Brigada de vôo para o esquadrão antidrogas em 1967, "Nobby" ficou famoso pelo vigor com que abraçou a causa de perseguidor dos astros de rock. Como é evidente a partir de informações publicadas na imprensa alternativa e várias histórias da época, acreditava-se que Pilcher estava "plantando" as drogas para acusar suas vítimas pela posse. Em novembro de 1973, Pilcher foi preso por conspiração para perverter o curso da justiça depois que foi alegado que ele havia cometido perjúrio. Foi condenado e sentenciado a quatro anos de prisão e expulso da Polícia Metropolitana de Londres.

A PRISÃO DE LENNON
- O ano de 68 foi cheio de emoções diferentes para John Lennon. Do retiro espiritual na Índia a criação da companhia dos Beatles, a Apple; do seu divórcio de Cynthia ao início de sua relação com Yoko Ono; do lançamento do disco duplo dos Beatles conhecido como Álbum Branco ao lançamento de seu primeiro disco solo (com Yoko Ono) Two Virgins. Nos últimos anos, a imunidade pop parecia ter acabado, e por conta das drogas, Donovan, Mick Jagger e Keith Richards foram presos pelo mesmo oficial, o Sargento Norman Pilcher. Ele estava ficando famoso pelas batidas nas casas dos músicos famosos. O prêmio maior, no entanto, seria subir a hierarquia e prender um Beatle. Don Shorter, um jornalista do Daily Mirror, deu a dica três semanas antes da batida, de que o nome de John estava na lista. Isso fez com que com John e Yoko fizessem uma limpa no apartamento em que moravam, até mesmo porque o desleixado Jimi Hendrix havia passado um tempo lá. Os outros Beatles também trataram de fazer o mesmo.

Então chegou o dia. Em 18 de outubro, Pilcher e mais sete oficiais invadiram o apartamento da Montagu Square, em Londres, onde viviam Lennon e Yoko. Era tarde da noite e os dois estavam na cama, sem roupas (normal), quando escutaram as batidas na porta. Yoko levantou e foi atender. Ao ficar sabendo quem era e do que se tratava, voltou correndo para debaixo das cobertas. Os policiais então tentaram entrar pela janela dos fundos. Houve uma ameaça de arrombamento, o que fez John concordar em abrir a porta da frente (tudo isso levou cerca de oito minutos, o suficiente para que, segundo antes, toda a heroína que havia na casa fosse mandada pela descarga). Nesse meio tempo John disse a Yoko para ligar para quem se lembrasse! Ela ligou para Neil Aspinall. “Imagine a pior paranóia, Neil, pois bem, está acontecendo aqui.” Houve ainda outra espera, de cerca de meia hora, para a chegada de Yogi e Booboo, os cães farejadores da Polícia Metropolitana. O fato estranho foi a rapidez com que a imprensa chegou ao local, mais um indício que tudo havia sido armado (alguns repórteres do Daily Mail e Daiy Express chegaram até mesmo antes da polícia). Pilcher alegou ter usado tantos oficiais por achar que na casa de astros pop, festas regadas a drogas e orgias eram muito comuns.

Também negou ter informado a imprensa, e seu relatório sugere que algum vizinho o tenha feito. De qualquer forma, os cães e a polícia encontraram 200g de resina de cannabis e meia grama de morfina. No tribunal, John e Yoko foram acusados por posse de drogas e obstrução da justiça. No fim das contas, John assumiu toda a culpa (com medo que Yoko fosse deportada, já que ainda era casada com o americano Tony Cox), e os dois foram absolvidos da acusação de obstrução. John teve de pagar uma multa de ₤ 150,00 sendo advertido que da próxima vez, iria para a cadeia. O episódio, no futuro, traria grandes problemas para Lennon permanecer nos EUA, e mais ainda, para obter seu green card na década de 70.

A PRISÃO DE HARRISON
- 12 de Março de 1969 foi o dia em que Paul McCartney se casou com Linda Eastman. O casamento foi num cartório em Londres e nenhum dos outros Beatles estavam presentes. Um deles, mesmo se quisesse, não poderia. No mesmo momento em que Paul se casava, George Harrisson era detido em sua própria casa por posse de maconha junto com sua esposa Patti Boyd. Harrison chegou em casa e ela já estava sendo revirada pelo Sargento Pilcher. O oficial estava com sua equipe e cães farejadores e alegou ter encontrado 120 baseados já enrolados (??!!). Fato tão surreal que o próprio Harrison se defendeu dizendo que o flagrante foi forjado pelo Sargento. Mesmo assim, Harrison e a mulher foram em cana, tiveram que pagar uma multa e ficaram "sujos" por muitos anos.

Ao que parece, "Nobby" ainda é vivo. Em todas as pesquisas que fiz, não houve sequer uma única menção sobre sua morte. Deve estar com 77 anos. Se alguém souber alguma coisa sobre esse homem, informe imediatamente às autoridades.

5 comentários:

João Carlos disse...

fiquei curioso EDU! que fim levou a figura ? Está vivo ? Após cumprir sua pena viveu fazendo o que ? Eitcha!

jonas gomes silva disse...

que cara indiota ne .

Jeniffer disse...

que cara mané!!!Queria se aparecer para sociedade conservadora da época.

jonas gomes silva disse...

e fo ... a falta de de itica das pessoas .

mateus gomes silva disse...

indiota de mais