terça-feira, 9 de outubro de 2012

JOHN LENNON - IMAGINE

John Lennon escreveu “Imagine”, sua maior dádiva musical para o mundo, em uma manhã de 1971 em seu quarto no Tittenhurst Park, sua propriedade em Ascot, Inglaterra. Sua esposa,Yoko Ono, observava enquanto Lennon sentou-se ao piano de cauda branco, agora conhecido pelo mundo todo pelos filmes e fotografias das sessões de gravação de seu álbum Imagine, e virtualmente completou a musica: a melodia serena; a tranqüila progressão de acordes; a evocativa harmonia de quatro notas; e quase toda a letra, 22 linhas de fé graciosa e franca enunciada no poder do mundo, unido em um propósito, para reparar e mudar a si mesmo. “Não é como se ele tivesse pensado, Oh, isso pode ser um hino”, disse Ono, relembrando aquela manhã, 30 anos mais tarde. “Imagine”era apenas o que John acreditava: que somos todos um único país, um mundo, uma pessoa. “Ele queria colocar essa ideia para fora”. Ideia que não era só dele: a própria arte de Ono, antes e depois de conhecer Lennon em 1966, celebrava o transformativo poder dos sonhos. A primeira linha de Imagine – Imagine there’s no heaven (Imagine que nao há mais céu)- descende diretamente de uma das peças interativas do livro de ono de 1964, Grapefruit (“Imagine Letting a goldfish swim across the Sky”-“Imagine deixar que um peixinho dourado nade pelo céu”). Mas Lennon,enquanto ex-Beatle, era um Expert no vernáculo do pop. Certa vez ele admitiu que “Imagine” – uma igualdade absoluta criada pela dissolução dos governos, fronteiras, religião organizada e disparada social - era “virtualmente o Manifesto Comunista”. Mas a beleza elementar de sua melodia, a tranqüilidade aconchegante em sua voz e o toque poético do coprodutor Phil Spector – que banhou a perfomance de Lennon em cordas gentis e um eco de brisa de verão – enfatizam a humanidade fundamental da canção. Lennon sabia que tinha composto algo especial. Em uma de suas ultimas entrevistas, ele declarou que “Imagine” era tão boa quanto qualquer coisa que ele havia escrito com os Beatles. Sabemos que é melhor que isso: um duradouro hino de conforto e promessa que nos tem sustentado por períodos de extrema dor, do choque pela morte do próprio Lennon em 1980 ao horror indestrutível do 11 de setembro. Hoje é impossível imaginar um mundo sem “Imagine”. E precisamos dela, mais do que jamais conseguimos.

7 comentários:

Pizzetti disse...

Lindo demais.

Helena J. disse...

Cara, não tenho palavras para descrever Imagine. Hino, com certeza.

Happy birthday, John!

Valdir Junior disse...

Hoje em dia não tenho muita paciência com " Imagine " ( muito por causa da Yoko ) , mas....não nego a importância e a necessidade dessa Utopia nos dias de hoje !!!
É de " Sonhos e Esperança " que o Futuro é feito !!!

João Carlos disse...

Imagine é um exercício de utopia que só Lennon poderia urdir.Tanto a letra quanto a melodia são de uma ternura comoventes.Ela é tão Lennon que nenhuma outra versão consegue nos tocar tanto quanto a original.Ele conseguiu jogar nela todo o sentimento (sempre atual)dos anos 60.

Edu disse...

Como já disse lá em cima, em algum lugar: não tenho nem o que dizer. Obrigado Joãos!... e Marias.Valeu, pessoal. Abração! Jai Guru Deva Om

evelize volpi disse...

Imagine é um hino com certeza!
Só a genialidade do John para escrever algo tão singelo e marcante para sempre!

Jeniffer disse...

Que texto é esse! Perfeito!